O milagre de 1967: A Guerra dos 06 dias (assista ao video)

Mesmo dispondo de um exército inferior em número, Israel saiu vencedor na guerra dos 06 dias, ao lutar contra vários países árabes, e impôs grave derrota em apenas 06 dias

Segundo a Wikipédia, A Guerra dos 06 dias, também chamada de A Terceira Guerra Árabe-Israelense, foi o conflito que envolveu Israel e os países árabes – Síria, Egito, Jordânia e Iraque apoiados pelo KuwaitArábia SauditaArgélia e Sudão – entre 5 e 10 de junho de 1967

Em outras palavras, a Guerra dos 06 dias foi a mais consistente resposta árabe contra a fundação do Estado de Israel, e a vitória de Israel é considerada por muitos como o milagre de 1967.

Elevo os meus olhos para os montes; de onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. Sl 121

Em 1967, o clima de conflito iminente tomava os ares da nação de Israel, ao passo que, o presidente egípcio, Gamal Abdel Nasser, colocou milhares de soldados na fronteira com Israel.

À primeira vista, Gamal Abdel Nasser, presidente egípcio, tinha a guerra dos 06 dias como ganha

Gammal Abdel Nasser, presidente do Egito

Primeiramente, Nasser solicitou, em 14 de maio de 1967, a retirada das forças de paz da ONU, que estavam presentes lá desde 1957, e era otimista considerando a guerra como ganha.

"Os exércitos de Egito (160 mil homens), Jordânia (55 mil homens), Síria (75 mil homens) e Líbano estão nas fronteiras de Israel, e atrás de nós estão as tropas de todo o mundo árabe (20 mil homens). Assombraremos o mundo! Chegou a hora de agir", disse Nasser em seu discurso em 30 de maio.

Ministro da Defesa Hafez Al Assad

Ministro da Defesa Hafez Al Assad

Semelhantemente, o ministro da Defesa e futuro presidente da Síria, Hafez al Assad, anunciou sua disposição para o conflito.

"Estamos com o dedo no gatilho. Chegou o momento para uma batalha de aniquilação." Pronunciou Hafez.

Israel estava em desvantagem

Em contrapartida, de acordo com a Wikipédia, O exército israelense tinha uma força total, incluindo reservistas, de 264.000 mil homens, contudo esse número não poderia ser sustentado durante um longo conflito, pois os reservistas eram vitais para a vida civil. [1] 

A princípio, Israel mobilizou contra as forças da Cisjordânia, cerca de 40.000 soldados, e 200 tanques, ou seja, (oito brigadas). [1]

A vitória esmagadora de Israel na guerra dos 06 dias

Moshe Dayan

Ministro da Defesa durante a Guerra dos Seis Dias em 1967, posteriormente, tornou-se um símbolo de luta mundial do novo estado de Israel.

Operação focus

Sobretudo, a operação focus foi o primeiro e mais crítico movimento do conflito e foi um ataque surpresa israelense à Força Aérea Egípcia .

Ou seja, em 5 de junho, às 7h45, horário de Israel, quando as sirenes da defesa civil soaram em todo Israel, a IAF lançou a Operação Focus ( Moked ). Todos menos 12 de seus quase 200 jatos operacionais [81] lançaram um ataque em massa contra os aeródromos do Egito . [82] 

A infra-estrutura defensiva egípcia era extremamente pobre, e nenhum aeródromo ainda estava equipado com abrigos de aeronaves reforçados capazes de proteger os aviões de guerra do Egito. 

A maioria dos aviões de guerra israelenses partiu sobre o Mar Mediterrâneo , voando baixo para evitar a detecção de radar, antes de se voltar para o Egito. Outros sobrevoaram o Mar Vermelho . [83]

Nesse sentido, a operação foi muito bem sucedida, pegou os egípcios de surpresa e destruiu praticamente toda a Força Aérea Egípcia em terra, com poucas perdas israelenses. Um total de 338 aeronaves egípcias foram destruídas, e 100 pilotos foram mortos antes que eles pudessem dar qualquer sinal de resposta.

Yitzhak Rabin

Yitzhak Rabin

Yitzhak Rabin, um dos principais estrategistas responsáveis pela vitória de Israel na guerra dos 06 dias.

A esmagadora vitória israelense na guerra dos 06 dias surpreendeu a todos os que consideravam os exércitos maiores dos países arabes e humilhou o Egito, a Jordânia e a Síria, e levou Nasser a renunciar envergonhado. No entanto, após protestos generalizados em todo o Egito contra sua renúncia, ele mais tarde foi reintegrado como presidente. 

O pânico da população israelense

Segundo o filósofo americano Michael Walzer, autor do livro Guerras justas e injustas, o triunfo israelense foi tão extraordinário que jogou no esquecimento a ansiedade de semanas anteriores.

Ele ressalta que enquanto o Egito vivia uma febre bélica e a expectativa de vitória, o ânimo em Israel era completamente diferente: o pânico deixava vazias as prateleiras de supermercados e milhares de sepulturas foram cavadas em cemitérios militares à espera de soldados mortos.

Nathan Sachs, diretor do Centro de Políticas sobre Oriente Médio do Instituto Brookings, em Washington, ressalta que, embora Israel soubesse ter poder militar suficiente para derrotar os árabes, não podia permitir que as tensões se prolongassem demais.

"Nasser era o líder árabe mais importante do momento. Era também muito carismático, mas a derrota em 1967 afetou dramaticamente sua reputação e mudou o balanço de poder na região", explica Sachs.

Israel assina cessar-fogo em 11 de junho

Por fim, o Egito e a Jordânia concordaram com um cessar-fogo em 8 de junho, e a Síria concordou em 9 de junho; um cessar-fogo foi assinado com Israel em 11 de junho. No rescaldo da guerra, Israel havia aleijado todos os militares egípcios, sírios e jordanianos. 

A guerra dos 06 dias deixou mais de 20.000 soldados árabes mortos, enquanto Israel perdeu menos de 1.000 dos seus. O sucesso arrebatador de Israel foi o resultado de uma estratégia bem preparada e decretada combinada com a fraca liderança e estratégia militar e política da coalizão árabe. 

Os planos realizados mediante sábios conselhos têm bom êxito; mesmo na guerra é necessário uma boa estratégia. Pv 20:18

INTERVENÇÃO DIVINA: Depoimento em vídeo do Capitão Gershon Salomon, veterano da Guerra dos seis dias.

Posteriormente, em depoimento, o Capitão Gershon Salomon, veterano da Guerra dos Seis Dias relata os acontecimentos sobrenaturais ocorridos durante a guerra dos seis dias. Video extraído do youtube.  

Consequências e territórios anexados por Israel

De acordo com a Wikipédia: Em 10 de junho, Israel completou sua ofensiva final nas Colinas de Golã, e um cessar -fogo foi assinado no dia seguinte. Israel havia tomado a Faixa de Gaza , a Península do Sinai , a Cisjordânia do Rio Jordão (incluindo Jerusalém Oriental) e as Colinas de Golã . [151] 

Cerca de um milhão de árabes foram colocados sob controle direto de Israel nos territórios recém-capturados. A profundidade estratégica de Israel cresceu para pelo menos 300 quilômetros no sul, 60 quilômetros no leste e 20 quilômetros de terreno extremamente acidentado no norte, um recurso de segurança que seria útil na Guerra do Yom Kippur seis anos depois.

Por último, falando três semanas após o fim da guerra, ao aceitar um diploma honorário da Universidade Hebraica, Yitzhak Rabin deu seu raciocínio por trás do sucesso de Israel:

Nossos aviadores, que atingiram os aviões inimigos com tanta precisão que ninguém no mundo entende como isso foi feito e as pessoas buscam explicações tecnológicas ou armas secretas; nossas tropas blindadas que derrotavam o inimigo mesmo quando seu equipamento era inferior ao dele; nossos soldados em todos os outros ramos … que venceram nossos inimigos em todos os lugares, apesar de seus números e fortificações superiores – tudo isso revelou não apenas frieza e coragem na batalha, mas … país e para suas famílias, e que se a vitória não fosse deles a alternativa era a aniquilação. [152]

Em síntese, o relatório final de Dayan sobre a guerra ao estado-maior israelense listou várias deficiências nas ações de Israel, incluindo má interpretação das intenções de Nasser, dependência excessiva dos Estados Unidos e relutância em agir quando o Egito fechou o Estreito. 

Dayan também creditou vários fatores para o sucesso de Israel: o Egito não apreciava a vantagem de atacar primeiro e seus adversários não avaliavam com precisão a força de Israel e sua vontade de usá-la. [153]

Definitivamente, segundo Heikal , Nasser havia admitido sua responsabilidade pela derrota militar em junho de 1967. [154] Segundo o historiador Abd al-Azim Ramadan, as decisões equivocadas de Nasser de expulsar a força internacional de paz da Península do Sinai e fechar o Estreito de Tiran em 1967 levou a um estado de guerra com Israel, apesar da falta de preparação militar do Egito. [155]

Enfim, Após a Guerra do Yom Kippur de 1973 , o Egito revisou as causas de sua perda na guerra dos seis dias, em 1967. As questões identificadas incluíram “a liderança burocrática individualista”; “promoções com base na lealdade, não na experiência, e no medo do exército de dizer a verdade a Nasser”; falta de inteligência; e melhores armas israelenses, comando, organização e vontade de lutar. [153]

Compartilhar isto:

portalentorno

    O seu portal de notícias e entretenimento! Não utilizamos leis de incentivo ou qualquer forma de financiamento com dinheiro público. Para informar qualquer erro ou sugestões para o nosso portal, por favor entre em contato conosco através do email [email protected]