foto: Divulgação

Uma Vida Crucificada, A. W. Tozer, uma mensagem para hoje

Getting your Trinity Audio player ready...

Uma vida Crucificada traz um mensagem para aqueles que buscam uma vida cristã mais profunda capaz de enfrentar as circunstâncias e tempos atuais.

A mensagem do evangelho de Jesus Cristo precisa acompanhar o caminho da vida crucificada que ele traçou, mas hoje isso tem sido trocado, muitas vezes por uma graça barata, que não é capaz de transformar nem de enfrentar os tempos atuais em que vivemos. 

Assim, esse breve resumo, pode te encorajar para viver muito além das margens do rio, minha oração é que você seja despertado, e que seu desejo o leve a buscar mais e mais ao Eterno Deus, Jesus Cristo.

A princípio, o livro uma vida crucificada, escrito por A. W. Tozer, desperta a nossa sede por Deus, ao relatar sobre a vida dos místicos cristãos, pessoas comuns como eu e você que viveram profundamente o evangelho, ao longo dos séculos, e não estiveram satisfeitos com o mero formalismo religioso e a cerimônia, com pouca espiritualidade.

Dessa forma, podemos citar alguns exemplos como Santo Agostinho, Francisco de Assis e Bernardo de Cluny, Thomas Merton, Irmão Lourenço, Lutero, João Wesley, Bernardo de Claraval, São João da Cruz, Walter Hilton, Richard Rolle, Henrique Suso, John Tauler, Mestre Eckhart, Thomas à Kempis, Francisco de Sales, Samuel Rutherford, Guilherme Low, Fracois Fenelon, John Fox, Nicolau de Zinzendorf, Andrew Murray, John Wesley e A. B. Simpsom.

Esses homens se levantaram como profetas de Israel, e professaram contra a exterioridade vazia do mundo, eles procuraram resgatar o desejo de ser santo, a glória de Jesus Cristo, o Senhor, eles viveram uma vida profunda de intimidade e se tornaram amigos de Deus, ouvindo e vivendo o chamado de Cristo que diz “Quem quiser vir após mim tome a sua cruz e siga-me”.

A tentação de permanecer no exterior

Sem dúvida, a tendência para a exterioridade é tão forte dentro da igreja protestante quanto foi em Israel ou na igreja antes dos tempos de Lutero. 

Existe grande dificuldade de resistir à tentação de permanecer no exterior, nas palavras, tradições, formas, costumes e hábitos.

Dessa forma, carregamos nas costas fardos inteiros de tradições que não têm espaço na obra de Deus. 

Jesus ensinou: “Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens” (Mateus15.9). 

Em síntese, se pudermos permitir que uma palavra substitua o ato, ficaremos com a palavra, não com o ato.

O ponto principal do Livro

Sem dúvida, o ponto principal do Livro Uma Vida Crucificada está relacionado a moldar o coração através do direcionamento do Espírito Santo para chegar no mesmo ponto que Jesus Cristo chegou.

Contudo, não sei dizer exatamente se Yeshua chegou.. ou se ele viveu a vida inteira dessa forma.. um estado em que estamos dispostos a obedecer a Deus e cumprir a sua vontade a qualquer custo e onde não há o mínimo espaço para negociação, carregando nossa cruz dia após dia e prontos para enfrentar a morte sem medo se preciso for.

Sobretudo, isso me chamou a atenção, pois já me questionei o quanto meu coração está longe disso.

Em conclusão, esse é o ponto chave, é o ponto em que qualquer cristão verdadeiro, para quem as escrituras não são uma mera historinha, precisa ter como alvo, realidade e de fato chegar. 

Inegavelmente, tudo isso se refere a um ponto de maturidade cristã no qual de fato conhecemos, amamos, obedecemos e nos rendemos ao Pai da Eternidade confiando nele em qualquer situação, e sabendo que ele é soberano de qualquer maneira, haja o que houver, custe o que custar.

Aparência externa x Mudança de atitude

Com efeito, isso não fala do exterior, não é sobre conhecimento, não é sobre religião, não é sobre a igreja que frequentamos, não é sobre conhecimento histórico, nem sobre conhecimento bíblico.

Dessa forma, essa transformação está relacionado a vivência dos princípios e verdades bíblicos, como resultado, essa vivência nos molda e transforma em imagem e semelhança de Jesus na nossa essência e caráter interior.

Essa semelhança com Jesus se torna uma substância palpável em nós, concreta, em nosso caráter, nosso ser, do nosso eu, da nossa essência.

Em outras palavras, viver uma vida crucificada nos traz um processo de santificação na nossa vontade, que vai nos levar a um nível onde é possivel, tomar decisões semelhantes às de Cristo, fazer o que vemos o Pai fazer.

De fato, isso está relacionado a uma realidade interior de fé, uma posição que precisa ser construída dentro de nós, e só pode acontecer se tivermos o Senhor e o seu maravilhoso Espírito Santo como nosso construtor, e seguirmos dia após dia as pequenas impressões que ele nos direciona.

Antes de mais nada, essa posição nos levará a ser semelhantes ao filho de Deus e a todos os grandes profetas das escrituras.

Sadraque Mesaque e Abdenego

Semelhantemente, essa foi a posição alcançada por Sadraque, Mesaque e Abdenego, quando preferiram morrer, e a fala deles nesta ocasião, descreve exatamente a situação em que o coração deles se encontrava. 

É dessa realidade que se trata.

16 Responderam Sadraque, Mesaque e Abede-Nego e disseram ao rei Nabucodonosor: Não necessitamos de te responder sobre este negócio. 

17 Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mão, ó rei. 18 E, se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste. Daniel 3:16-30

De maneira idêntica, essa posição estava com Jeremias, quando profetizou e nunca voltou atrás em suas profecias, foi jogado no fundo do poço, e não se moveu um milímetro em tudo que profetizou, ele sabia que era YHWH quem havia falado, e que ele é Senhor sobre tudo e sobre todos.

Da mesma maneira, com Isaías, quando foi cerrado ao meio, e com todos os primeiros mártires cristãos.

Com Estevão quando foi apedrejado, após Deus fazer todos aqueles maravilhosos milagres através de suas mãos.

Um alvo para a eternidade

Por consequência, esse resultado da morte aos nossos olhos pode parecer um profundo fracasso, mas na verdade, ele está relacionado a um profundo acerto, preparado pelo criador, para nos honrar, com uma posição de destaque no seu Reino.

Sadraque, Mesaque e Abdenego não morreram, Deus preferiu preservá-los, eles foram destaque no reino da terra, com a finalidade de contar as futuras gerações, da sua posição em Cristo Jesus, e também serão destaques no Reino dos Céus, reconhecidos como aqueles que não abriram mão diante da estátua de ouro de Nabucodonossor, mesmo perante a morte.

Fazendo a diferença na sua geração

Dessa maneira, você pode imaginar o que isso significa? consegue ver durante todo o antigo testamento nos livros de Crônicas, Reis, Jeremias, Isaías.

Com efeito, quantas vezes o Criador do mundo fez questão de escrever, sobre os lugares altos e sobre a idolatria do seu povo escolhido indo após baal, asserá e todos os outros demônios que o haviam traído no céu e seguido após satanás.

Inegavelmente, eles estavam de volta, agora com a estátua de Nabucodonossor, querendo atrapalhar tudo que Deus estava fazendo, mas não agora, agora existem Sadraque, Mesaque e Abedenego.

Em contrapartida, Deus sempre estará um passo a frente, se houverem pessoas capazes de ouvi-lo e obedecê-lo na terra.

 Como resultado, aquela situação foi usada para a honra e o conhecimento do altíssimo em todo o reino de Nabucodonossor. A posição de Sadraque, Mesaque e Abedenego fez com que todos soubessem que há um Deus vivo e que ele pode salvar até mesmo da fornalha de fogo.

Propósito

Em resumo, creio que Deus está forjando os seus, para manifestar essa mesma posição da cruz para esses últimos tempos, como está escrito quem crer até o fim será salvo.

Isso se refere a uma aliança profunda, e intima com o criador, na qual somos levados a uma posição firme e sólida, inquebrável, de obediência e rendição, onde o Deus vivo, vive em nós. Para ser sincero, esse último capítulo do livro para mim foi o mais precioso.

Por certo, essa posição me lembra as duas testemunhas descritas no livro de Apocalipse, eles serão o terror dos governantes desse mundo, e todos se felicitarão e trocarão presentes quando eles morrerem, tamanho o terror que trarão às nações com uma vida crucificada, de obediência e rendição, sendo um exemplo vivo e reluzente das verdades das escrituras, e da verdade da autoridade e poder de Jesus Cristo.

Finalmente, para mim, essa é a mensagem principal e mais importante do livro.

Trecho extraído do resumo do livro “Uma Vida Crucificada”, de A. W. Tozer.

Baixe o pdf do livro completo!

Compartilhar isto:

portalentorno

    O seu portal de notícias e entretenimento! Não utilizamos leis de incentivo ou qualquer forma de financiamento com dinheiro público. Para informar qualquer erro ou sugestões para o nosso portal, por favor entre em contato conosco através do email portalentornodf@gmail.com